O que é um servidor?

Todos nós que temos um site para um pequeno negócio ou mesmo um blog nos deparamos com uma questão bastante complexa, ainda mais se não entendemos muito de internet: qual servidor devemos escolher. Às vezes pode não parecer tão importante em que lugar seu site está hospedado, mas vou te mostrar como isso pode estar bem errado e tentar te ajudar a entender como tudo isso funciona. Vamos lá?!

  • 1. Velocidade

    Um bom site precisa, em primeiro lugar, abrir rapidamente, tanto na sua versão desktop, quanto na sua versão para o celular. Isso, além de depender, é claro, do design e da otimização de imagens, depende também do seu servidor. Esse primeiro ponto é de extrema importância, já que ninguém tem muita paciência para ficar esperando, não é? Isso vale especialmente para lojas virtuais e sites para pequenos negócios. Se o usuário não consegue ver as imagens, ou elas não carregam porque estão muito pesadas e seu servidor não consegue fazê-las abrir rapidamente, sua taxa de rejeição (bounce rate) pode se tornar muito alta e você pode perder muito dinheiro com isso.

    2. Segurança

    Hoje em dia segurança em web sites é um pré requisito. É isso que protege todas as suas senhas, seu IP, e até mesmo seus dados de pagamento, como cartões de crédito, paypal, etc. Mas como um site pode ser seguro? O servidor é um dos pontos mais importantes para isso: com um bom servidor e, é claro, um bom programador por trás dele, é possível criar um código que proteja todas as informações importantes do usuário. Por isso sempre dou preferência para servidores privados (VPS), de porte pequeno ou médio. Uma ótima opção para quem tem um negócio de pequeno ou médio porte é o Servidor VPS da TOKYO DIGITAL, que além de atendimento personalizado é extremamente seguro. Outra coisa que vale mencionar é que um bom programador também pode colocar um SSL no seu site. Ok, mas o que é isso? É um protocolo de segurança que não permite que seus dados saiam do site sem serem criptografados. E isso garante a completa segurança. Vale investir nisso, ainda mais em se tratando de uma loja virtual!

    3.Up Time

    Um servidor que dá erros 500, que não comporta o número de visitas que seu site tem numa Black Friday, por exemplo, não é um bom servidor. Vários desses servidores baratinhos, como hostgator, por exemplo, parecem uma boa opção até começarem a dar erros… E depois, o problema é que para conseguir ajuda para colocar seu site no ar você vai precisar entrar no chat e esperar por horas até ser atendido. E muito provavelmente irão apenas abrir um ticket com seu problema, e isso pode demorar dias para ser resolvido. E aí, o barato sai caro: esse tipo de problema pode acarretar em perda de vendas, menos visitas, menos dinheiro resumidamente. Por isso digo novamente que prefiro um bom VPS (Servidor Privado) de pequeno ou médio porte, que me permita falar diretamente com o programador e que a equipe dele esteja disponível 24 horas para resolver qualquer problema que eu tenha. Novamente indico o Servidor VPS da TOKYO DIGITAL, que tem um Up Time de 99,9% do tempo, ou seja, todos os sites lá hospedados estão no ar praticamente o tempo todo.

Espero que com este post eu tenha conseguido ajudar vocês a entenderem um pouco como devem escolher um servidor e qual a importância disso.

O que é um servidor?
Muita gente tem dúvidas sobre o que é um servidor e sobre para o que ele é necessário. Então vamos lá, vou explicar direitinho para vocês, de uma maneira fácil, tanto o que ele é, quanto qual a sua função.

  • O que é um servidor

    Um servidor é um computador que pode estar tanto perto de você como longe. Quando criamos um web site, precisamos de um lugar em que fiquem nossos artigos, nossas imagens, etc., certo? E isso tudo fica guardado no servidor, ou seja, naquele computador.
    Quando criamos um blog do blogspot, por exemplo, usamos servidores (computadores) remotos do próprio Google para guardar todos os nossos dados. Quando escolhemos o WordPress.com, também usamos os servidores (computadores) do WordPress.
    O WordPress.org, diferentemente do WordPress.com, necessita de um servidor outro que não o do wordpress.com, isso porque ele é o que chamamos de self-hosted. E isso não é necessariamente uma coisa ruim, mas vamos valar mais sobre a função de um servidor um pouco mais à frente no post.
    Também vale dizer que, para quem procura um site para um pequeno ou grande negócio ou para um blog profissional ou uma loja virtual, o WordPress.org é uma opção muito melhor: ele permite mais plug-ins e códigos, não contém anúncios, ou seja, permite que o programador tenha total liberdade para criar o site da maneira exata que você precisa, e isso o torna a melhor opção.

    2. Tipos de servidores

    Outro ponto também é que existem vários tipos de servidores, mas de modo geral eles se dividem em compartilhados e privados. Os compartilhados, como o próprio nome já diz, são compartilhados com outras pessoas. Este é o tipo de servidor mais baratinho que achamos por aí, como o Hostgator ou o GoDaddy.
    O problema desse tipo de servidor é exatamente isso: eles são compartilhados. A memória é compartilhada, o espaço é compartilhado, etc. e isso pode causar muito erros nos sites, especialmente os da família dos 500, que são erros internos do servidor, um erro de Http porque ele está com dificuldade de processamento.
    Então fica fácil perceber porque não são uma opção tão boa assim: algumas horas fora do ar podem arretar perda de visitas e vendas para uma loja virtual, por exemplo. E não é só esse o problema dos servidores compartilhados, como a maioria dessas empresas é grande, elas não conseguem fornecer aos clientes um atendimento personalizado: quem já tentou usar esse tipo de servidor sabe muito bem que, assim que aparece um erro no site, é necessário entrar no chat do servidor, esperar algumas horas para ser atendido e, depois, muito provavelmente, ter apenas um ticket enviado para a empresa que não ajuda em nada a colocar seu site no ar novamente e, muitas vezes pode até perder seus dados. Todos nós já passamos por isso, infelizmente.
    É por isso que digo que minha primeira opção para servidores são os servidores privados, ou VPS. Estes são servidores específicos para todas as suas necessidades, que contém a memória que você precisa, que aguentam as visitas que você tem sem dar nenhum erro, que são, resumidamente, feitos na medida para o seu site. Também vale dize que não alugo servidores privados de empresas grandes, porque, além de caríssimos, neste caso eu teria o mesmo problema na hora que precisasse de ajuda, e não posso ter nenhum dos meus sites dando erro e ter que esperar horas (ou dias) para uma resposta. Vou dar um exemplo: uso sempre Servidor VPS da TOKYO DIGITAL: ele é um servidor privado, em que me cobram apenas o espaço que uso e nada mais, em que todas as opções são personalizadas de acordo com meu site (velocidade, segurança, ssl, etc.), e ainda tenho atendimento personalizado da equipe da TOKYO DIGITAL, 24 horas por dia. Além disso o up time, ou seja, o tempo em que o servidor fica online, sem dar problema nenhum, é de 99,9%. Melhor que isso não fica.

    3. Para quê serve um servidor?

    Por tudo o que eu já disse, fica muito simples entender esta última questão. Um servidor é um computador para guardar os dados do seu site. Eu sei que você deve estar imaginando um computador com tela e torre, mas não é bem isso: a única coisa necessária para um servidor é o seu core:então imagine uma enormidade de quadradinhos empilhados numa sala bem gelada: os quadradinhos são onde fica toda a memória e força de processamento desse servidor e a sala gelada é para esfriar esses quadradinhos, que ao usarem sua capacidade de processamento, geram também energia em forma de calor e esquentam, algo que pode acarretar até na falência do core.
    De tudo isso o que posso concluir é que, como a gente tenta escolher o melhor computador para ter em casa, devemos escolher o melhor servidor para guardamos nosso site. Segurança, bom atendimento e velocidade são pré requisitos na hora de escolher seu servidor.

6 plugins de SEO para WordPress que vão aumentar suas conversões

Aumentar as conversões é o objetivo de qualquer site, blog ou página na web. Hoje, queremos ajudar você a melhorar seu negócio com 6 plugins de SEO para WordPress. A instalação e configuração deles é simples, mas se você tiver alguma dúvida, pode consultar o site ou o fórum do próprio desenvolvedor.

1. OnePress Social Locker

Link para download: aqui

Quer viralizar o seu conteúdo nas redes sociais? Esta é a melhor ferramenta para isso.

Considerado um dos plugin mais geniais em questão de compartilhamento de conteúdo nas redes sociais, o “OnePress Social Locker” faz com que o usuário compartilhe o seu conteúdo antes que possa ler.

Esse compartilhamento pode ser feito no Facebook, Twitter ou G+. Não perca tempo! Instale hoje mesmo e já comece usar no seu próximo artigo.

2. AddThis Sharing Buttons

Link para download: aqui

Se você quer inserir botões para facilitar o compartilhamento do seu conteúdo nas redes sociais, o “AddThis Sharing Buttons” é o plugin recomendado para essa tarefa.

3. Yoast SEO

Link para download: aqui

O “Yoast SEO” é um dos plugins de SEO para WordPress mais utilizados. Gratuito e de alta qualidade, vai surpreender que o utilizar.

Este plugin possui a funcionalidade de fazer uma análise detalhada e uma avaliação de SEO de cada página do seu site ou blog. Além dessa análise, ele aponta as melhorias que você pode fazer para obter mais resultados.

Com esses recursos você fica sabendo mesmo antes da publicação se o seu artigo ou página está otimizado ou não.

4. SEO Friendly Images

Link para download: aqui

Ter as imagens otimizadas facilita muito a indexação do seu site nos sites de busca, aumentando, assim, o tráfego de visitantes.

O trabalho deste plugin é inserir corretamente os atributos de ALT e TITLE em cada imagem do seu site.

5. W3 Total Cache

Link para download: aqui

Para você ter um site rápido, é muito importante levar em consideração a experiência do seu usuário.

Um site otimizado, rápido e ágil consegue ter um maior desempenho nos buscadores do Google.

Com o plugin “W3 Total Cache”, a velocidade do seu site é melhorada, permitindo um aumento de desempenho de até 10x, além de uma economia considerável na largura de banda com a compressão dos seus arquivos, e por isso é um dos plugins de SEO para WordPress que você deve experimentar.

6. All in One SEO Pack

Link para download: aqui

Quem possui um site ou blog precisa estar consciente de que otimizá-lo é totalmente necessário para que eles recebam mais visitas.

Este é, sem dúvidas, um dos plugins mais baixados para quem quer otimizar o site ou blog com qualidade e de forma fácil.

O “All in One SEO Pack” possui recursos excelentes para otimização de SEO em sites e blogs, além de uma API exclusiva para desenvolvedores.

Entre os seus recursos estão os suportes para Google AMP, Google Analytics e SEO para tipos de publicações personalizadas.

Você encontra esse plugin em 57 idiomas diferentes, além de compatibilidade com diversos outros plugins. É totalmente compatível com PHP 7 e um dos plugins de SEO para WordPress que você não pode deixar de testar.

o que é seo

5 dicas de SEO para otimizar seu site WordPress para o Google

Criação de sites personalizados e Assessoria Digital

Você acabou de criar um novo site com o WordPress. Parabéns! Você deu o primeiro passo de sua estratégia de marketing online porque o site é a base desse tipo de marketing. Para ter resultados ainda melhores, por que não conferir algumas dicas de SEO para otimizar o seu site WordPress para o Google? Vamos vê-las a seguir.

1. O título

O chamado Title Tag é o elemento mais importante na otimização de uma página. O título não deve ter mais de 55 caracteres, caso contrário, ele será cortado pelo Google.

Este título de SEO é muito importante para o buscador compreender do que se trata sua página. Certifique-se de que a Title Tag seja diferente para cada página no seu site e, principalmente, clara e autoexplicativa. Essa é uma das mais importantes dicas de SEO, mas continue acompanhando as próximas!

2. O link permanente

O link permanente também é chamado de Permalink. Esse aspecto torna mais fácil para o usuário entender o conteúdo da sua página da web.

Suponhamos que você seja fotógrafa de retratos e estúdio. Você pode ter dois portfolios em seu site com os endereços www.seudominio.com.br/portfolio/fotos-de-retratos e www.seudominio.com.br/portfolio/fotos-de-estudio.

Usar a palavra-chave correta no Permalink garante um melhor posicionamento no Google.

3. A descrição meta

Fazer uma boa descrição meta ou Meta Description é uma das melhores dicas de SEO para o Google. Nessa tag, você irá colocar uma breve descrição sobre o que a página se trata e deve ser sempre o mais persuasivo possível para que as pessoas cliquem no seu link.

A Meta Description não é um fator crítico para o ranking do seu site nos resultados da pesquisa, mas a descrição deve ser clara e encorajar o usuário a clicar no seu link.

o que é seo

4. A palavra-chave em foco

Agora é hora de falarmos da palavra-chave em foco, também chamada de Keyword. Esse é um dos pontos mais importantes de qualquer site, especialmente de blogs, pois é através das palavras-chave que você conseguirá atrair os melhores visitantes.

Pense no seguinte cenário: uma pessoa interessada em comprar um quadro com a figura de um cavalo marinho digita no Google “quadro com cavalo marinho”. Para que você tenha boas chances de aparecer entre os primeiros resultados, você deve utilizar o termo “quadro de cavalo marinho” no título, no link permanente, na descrição meta e também em outros elementos importantes da página como nos títulos h2 e nas tags alt das imagens. Além disso, você também deve inserir esse termo em todo o conteúdo da sua página, mas sempre tomando cuidado para não praticar keyword stuffing. Saiba mais no artigo a seguir:

Keyword density: por que se preocupar com esse importante fator de SEO

5. Os links externos e internos

Ao criar links em seu site ou blog para sites ou blogs de outras pessoas e empresas, você fornece valor aos seus leitores e mostra ao Google que você está interessado em conteúdo de qualidade, além de ajudar a destacá-lo em seu nicho.

Além disso, você também deve criar links internos, principalmente se você tem um blog. Ao redigir uma nova matéria, inclua sugestões de leitura entre blocos de texto, criando links internos para outros artigos que você já desenvolveu e que tenham a ver com o novo conteúdo que você está apresentando.

Esperamos que essas dicas de SEO para otimizar seu site WordPress para o Google possam ajudá-lo a obter melhores resultados. Boa sorte!